Percy Jackson: O Ladrão de Raios, DECEPÇÃO MITOLÓGICA.

Eu gosto de filmes adolescentes americanos, tipo essas aventuras inocentes, de “sessão da tarde”, bom, e ai o exemplo se encaixa muito bem, Os Goonies é um clássico. Gremlins 1 e 2… Enfim, já deu pra notar o tamanho do problema. Mas eu gosto, fazer o quê. Também gosto, um tanto, de mitologia grega, e sempre me peguei lendo qualquer coisa que pousasse em minhas mãos a respeito, só pra passar o tempo… Que fosse.

Bom, o Chris Columbus foi roteirista desses filmes que mencionei, eis que, ele resolve dirigir um filme, adolescente, americano, e que também fala em mitologia. LEGAL!!!! Depois de não ter visto WatchMen no cinema, depois de não ter visto o novo Sherlock Holmes no cinema, e qualquer outro que me apetecesse nesse período, por motivos diversos não os assisti, tinha que ver “Percy Jackson e o Ladrão de Raios“…

Partimos na missão, Izabella, meu sobrinho Lucas e eu (meu outro sobrinho Caio, já tinha visto o filme duas vezes), chegamos cedo ao cinema e… Nada feito, saiu de cartaz… Beleza, agora eu quero ver o filme e não é outro, é esse mesmo, saimos do prédio e logo na porta estava a banca de filmes piratas:

“- Dá um Percy Jackson aê!”

Partimos então pra casa, e fomos assistir ao filme. UMA DROGA. Que seria mais um enlatado, eu já esperava, nenhuma surpresa, mas que seria tão ruim… Pôxa… Existe ali uma aniquilação completa da mitologia, conversando com um amigo sobre Inglorious Basterds (filme diverso do aqui tratado, mas que eu gostei, a despeito de já gostar bastante de Tarantino), ele disse que não seria necessário maltratar a história daquele jeito para fazer o filme. Eu nunca entendi muito bem, até ver Percy Jackson.

Só para dar uma idéia, eles vão ao Parthenon em NashVille, o inferno de Hades fica em Hollywood e o monte Olimpo, no topo do Empire State.. Vá se ferrar né… Fizeram o filme como se o centro do mundo fosse nos Estados Unidos (quando todos sabem que fica em Castela), poderiam ter ampliado a visão, não só a comercial, além dessas coisas, Percy, seria o nome americanizado de Perseu, e ele realmente mata a medusa, depois de matar o minotauro!?!?! Porra com mais meia hora de filme, o filho de Poseidon (Percy) ia matar até Zeus, claro, depois de descobrir que na verdade Zeus morava em Beverly Hills, e não no Olimpo…

Enfim, o filme é uma droga, e no final, fica a impressão que você perdeu o tempo, mas perdeu federal mesmo, quando vejo uma reprise do Goonies em qualquer lugar, eu vejo, perco o tempo igual, mas sempre tem aquele gostinho bom quando acaba, mesmo que não reveja até o fim.