Da ida de Andrei, e o caminho de volta.

Depois de um mês e cinco dias sem blogar, tenho praticamente um post gigante, com diversos furos de reportagem sobre mim mesmo, não é bacana? Bom, mesmo sabendo que isso quebra muito a perssistencia das duas pessoas que leem o blog, vamos tentando de grão em grão, o sonho do um post diário.

Agora tenho orientador, depois de ter entrado em contato com Tio Louro, que é meu orientador de fato, tenho também um co-corientador, que pensa que é meu orientador, na USAL, e também uma linha de pesquisa, duas coisas fundamentais a quem quer fazer uma pesquisa, orientador e linha… Esther é minha orientadora, e minha linha de pesquisa é “Ciudadania, democracia y derechos humanos”, que quando vi, achei que cairia como uma luva, e quando disse a Tio Louro, foi tiro e queda. Bom, Olivia que foi também sua orientanda na monografia, tirou umas cópias de seu livro (que eu trouxe como presente pra Antonio), e assim acredito eu que Tio Louro já tenha por ai umas citações no Brasil, em Portugal e na Espanha. Um livro é mesmo como um fenômeno, mais que um filho, que voce cria para o mundo como sempre disse meu pai, o livro, ou um livro, que voce escreve para o mundo, tem uma capacidade expansiva impressionante… Já estou com medo de dizer de quem sou sobrinho pra não ter que sair dando autógrafos por ai.

Deixando um pouco de lado o narcisismo familiar, tambem descobri, graças a Andre, que está dividindo apartamento conosco agora, mas isso é um assunto muito comprido, já que nem falei de Jamilton, que tambem dividiu o AP, e dos acontecimentos que marcaram o periodo. Bom de volta a Andre, tambem descobri, na Espanha, várias possibilidades de estudo GRATUITO, ou quase, que podem proporcionar bons frutos. Por exemplo o curso técnico superior de “Desarrollo de Aplicaciones Informáticas”, assim como tantos outros, que são oferecidos aqui à galera que acaba o “bachillerato” ou nosso antigo “segundo grau”, agora conhecido como ensino médio.

Bom, esses cursos são oferecidos gratuitamente, e dãp a possibilidade de mestrado, pois são “tecnicos superiores”. Além desses, há tambem os cursos de linguas da escola oficial de idiomas, mais longos que os cursos tecnicos superiores, mas que oferecem efetiva proficiencia (inclusive gramatical) nos idiomas escolhidos, não é coisa pra aprender a dizer por favor e com licensa… Os cursos da escola de idiomas tem duração de 5 anos e custam extorsivos 60 euros anuais (risos), e os cursos tecnicos superiores tem duracao de dois anos, sendo que os ultimos seis meses dentro de empresas indicadas pela propria instituicao de ensino (com possibilidade de contratacao posterior, claro que em tempos de crise, essa possibilidade é bem remota, mas enfim), certo é que pra quem quer estudar e se desenvolver, há possibilidades de sobra, e o melhor, se não gratuitas, MUITO baratas.

Nesse periodo eu tambem trabalhei. Isso mesmo, chamava uma galera pra dentro de um bar. Tudo bem, tudo bem, eu trabalhei num bar, piadas nos comentarios por favor. Sim, eu podia beber de graça, mas como um bom profissional que sou, me neguei 😉 Certo é que o trabalho exigia simpatia e jovialidade, bom, a simpatia que me resta, guardo pra meus chegados, e quanto a jovialidade, sou criança eternamente, mas minhas madeixas me denunciam, e eu estava farto de deixar os cabelos crescerem de novo, então… De qualquer maneira, como já vou quase voltar, me concentro em procurar a bibliografia passada por meu orientador Dr. Lourivaldo da Conceição, que já havia feito seu dever de casa, e pesquisado trabalho pra me dar. É fogo… sinto que deveria ter pego um orientador “mais parecido comigo” (tradução: mais vagabundo), pra me orientar.

Andrei foi-se embora, Izabella chegou, e como disse antes, já está quase na minha hora, esses acontecimentos demonstram isso! Andrei foi a primeira pessoa conhecida que vi por essas bandas, como descrito no blog, foi ele quem me recebeu no aeroporto do Porto, foi na casa dele que tomei o fabuloso vinho verde da região do Minho, conheci a aconchegante cidade de Braga, e finalmente me fui a casa de Laerte. Bom, devo confessar que não me encantei com Portugal, Lisboa, Sintra, Coimbra, Porto… Na verdade muito pelo contrario, apesar de gostar de Sintra que é muito bonitinha, e de Coimbra, que é uma cidade acadêmica como Salamanca e agora Braga.. Me encantei mesmo foi com Braga, Braga é pequena, mas como já disse, universitaria, oferece varias possibilidades de estudo, uma cidade simpatica, organizada, enfim, encantadora, e não é a toa que Andrei e Olivia gostaram tanto daqui, eu tambem gosto, e qualquer pessoa que aqui venha sem procurar o fetiche do Porto e seus vinhos, tambem há de se encantar.

Bom, esperando voltar a normalidade, me despeço com um post gigante, tomara que pelo menos tenha sido boa a viagem. =)

3 comments on “Da ida de Andrei, e o caminho de volta.

  1. Ah claro, tenho certeza que você negou bebida de graça…
    A família de Izabela passou a semana ligando pra cá, manda ela falar com os pais dela.

  2. Garoto,

    Lourivaldo da Conceição tem mesmo citações dos livros dele no Brasil, Portugal e Espanha. E muito bem merecidas! 🙂

    Quanto a Braga, concordo com tudo o que disseste 😛

    Abração,

    Olívia

Comments are closed.